Notícias

FA7 NO CENTRO: Por uma relação ética do mercado com o consumidor

Categoria:

Sem categoria

0

A mistura de odores fortes e de cores, revela que o mercado ainda reserva muitos desafios a serem compartilhados e refletidos

Fachada do São SebastiãoQuando um cliente vai ao mercado o que ele, no mínimo, espera do local? Segurança? Preços baixos? Variedade? Pode ser tudo isso, mas também algo que seja aparentemente básico: limpeza. Um local higiênico onde o cliente possa circular sem ser incomodado em seus sentidos seja uma poluição visual ou pela presença de odores fortes.

Fazer uma visita ao setor dedicado à venda de carnes mais parece um passeio por uma feira medieval, com retalhos de carne espalhados pelo chão, cortes sem qualquer refrigeração ou proteção. Neste ambiente, as mais diferentes pessoas circulam, inclusive um rapaz que vendia cachorros num carrinho de metal.

Apesar do grande movimento e da disputa pelo espaço entre vendedores, clientes, produtos e outros tantos, tudo parece transcorrer tranquilamente por ali. Pelos sorrisos e pelas conversas entre o comerciante e o cliente – alguns chamam a clientela pelo nome -, percebe-se que é quase um ritual sagrado ir ao mercado no sábado pela manhã, para comprar os ingredientes para o almoço do final de semana.

Os produtos têm um preço bem atrativo e o mercado serve de ponto de encontro de amigos que chegam cedo para tomar o café da manhã, que pode ser um cuscuz, uma vitamina dos mais variados sabores ou a famosa a buchada. É raro não se encontrar alguém que chegue cedo ao mercado e não vá consumir essa iguaria.

A relação entre as pessoas parece ser muito cordial, mas relação ética do mercado com o consumidor pode melhorar. O mercado de uma cidade deve ser um local que permita aos seus frequentadores utilizá-lo com um mínimo de conforto. Não é preciso muito, mas é necessário fornecer pelo menos um ambiente que demonstre haver algum tipo de cuidado com o outro. Afinal, ética demanda certa reciprocidade: a cidade precisa cuidar dele, mas ele também precisa ser cuidado para a cidade.

Paulo Mesquita
4º semestre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *