Notícias

A graúna feliz e os sabiás azedos

Categoria:

Crônicas, Texto

0

“Nem tudo o que parece é”. Mesmo que os olhos apontem algo, uma melhor observação é sempre necessária. A Graúna Feliz, infelizmente, descobriu isso da pior forma. Nenhuma outra graúna jamais poderia imaginar.

A Graúna Feliz levava a vida na plenitude. Ora, ela fazia parte de um bando de graúnas, sabiás e até gaivotas que saiam pelo azul do céu, pelos ninhos alheios, espalhando a mais pura felicidade. Nem sempre eram bem-vindas, mas nunca perdiam a vontade de alegrar o mundo dos pássaros.

Acontece que, às vezes, o céu castiga até o mais feliz dos seus amantes. A Graúna Feliz perdeu-se dos seus amigos durante uma tempestade nunca vista por aquele bando. Todavia, a Graúna Feliz conseguiu escapar do seu fim. Acordou horas depois atordoada e, mesmo com a visão turva, avistou uma enorme placa onde havia: “Brasilis, a terra onde tudo é possível”. A heroína sobrevivente logo abriu um sorriso de uma ponta à outra.  Apesar de não saber o paradeiro de seus amigos, estava em um lugar onde poderia ser livre.

A ave, então, entrou no povoado rapidamente e, na mesma velocidade, observou que aquele lugar era habitado apenas por sabiás, de cara amarrada, tristes e fechados. Eram os Sabiás Azedos, visivelmente diferentes dos que conhecera na vida.

Intrigada, ela recorreu ao Sábia Azedo de cara menos amarrada que encontrou, perguntando o motivo da ausência de outros pássaros ali. O Sabiá, abismado, respondeu que aquela terra era livre, mas apenas para Sabiás Azedos como ele, expulsando a Graúna Feliz aos gritos na sequência. A Graúna Feliz não podia ser feliz ali e, contrariando a sua natureza, entristeceu. Brasilis não era terra do possível, era um local exclusivo dos Sabiás Azedos: só eles eram “iguais”. Da entrada, a Graúna Feliz mal passou, que lástima.

Mesmo sozinha e expulsa, ela recuperou seu sorriso ao rosto. Continuava acreditando em sua alegria e, assim, abriu voo. A Graúna Feliz saiu em busca de seu bando e de outros pássaros como eles. Abandonou os Sábias Azedos, com fé na possibilidade de um mundo realmente alegre e livre, diferente de Brasilis.

(*)Texto motivado por leitura de uma tirinha de Henfil (Graúna e democracia)

Ítalo Matos
1° semestre, Publicidade

Tags: , , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *